Zombooka 2

Depois de me deliciar com o Flaming Zombooka 1, chegou o Zombook 2.

Titulo da Imagem Titulo da Imagem

Medo.Com

A internet e seus podres profundos. Todos nós sabemos que coisas ruins existem em qualquer lugar. No esporte, no mundo empresarial, na polícia e em qualquer espaço da terra que esteja habitado por humanos.

Titulo da Imagem Titulo da Imagem

Você Sabia?

Nicole Kidman é Dra. Carol Bennel, psiquiatra em Washington, que luta para salvar a vida de seu filho ao descobrir uma invasão de um vírus alienígena.

Titulo da Imagem Titulo da Imagem

Atriz brasileira é sucesso em filme americano

A brasileira Fernanda Andrade está despontando nos cinemas americanos.

Titulo da Imagem Titulo da Imagem

11 de abr de 2011

A Casa do Cemitério

A Casa do Cemitério - (The House By The Cemetery - 1981)
Direção: Lúcio Fulci
Elenco: Catriona MacColl, Paolo Malco, Ania Pieroni, Giovanni Frezza.
Sinopse: Professor Norman, juntamente com sua família, se muda para Boston para fazer uma pesquisa. Mas a casa onde o professor está hospedado tem inúmeros segredos que vão aterrorizar a família inteira.
Download: A Casa do Cemitério
Distribuição no Brasil: Cine Digital
OBS: Assista aqui uma entrevista (Inglês) com Catriona MacColl 

Depois de uma provável noite de sexo, a mocinha levanta-se e procura pelo namorado dentro de uma casa escura. Mas sua curiosidade termina de forma trágica. Com uma morte sensacional, A Casa do Cemitério, de Lúcio Fulci, tem um início promissor, capaz de segurar qualquer espectador diante da TV. Logo após os créditos iniciais, temos outro take bastante interessante, quando a imagem de uma garotinha diante de uma janela, ao poucos vai se tornando preto e branco, finalizando como uma fotografia. 

São aproximadamente 7 minutos de produção extremamente bem feitos, trazendo o espectador, provocando o interesse, importantíssimo em qualquer tipo de filme. Entretanto, o que é apresentado a seguir é um filme confuso, com alguns buracos no roteiro, que não chega a ser chato de assistir, mas que termina sem muito crédito. Talvez eu esteja cometendo uma heresia para os mais fanáticos ao criticar um cineasta tão famoso como Lúcio Fulci, mas também não acho bacana dizer que é uma obra prima se, de fato, não é. 

Infelizmente, temos uma cultura errada em achar que grandes cineastas como George Romero, por exemplo, não podem ser criticados nunca. Contudo, concordo que eu deveria assistir mais produções de Fulci para uma melhor avaliação no geral. Mesmo assim, avaliando A Casa do Cemitério como uma produção isolada, achei ruim, mas em momento algum criticando o diretor no seu conjunto da obra.

Norman Boyle é um professor de sociologia, integrante da Sociedade Histórica de Nova York. É casado com Lucy e tem um filho de 6 anos chamado Bob. Uma observação: Bob é um chato. Passados 30 minutos de filme eu já não aguentava mais escutar a voz daquele menino irritante. A pedido do diretor da sociedade, o professor Boyle muda-se para Boston para fazer uma pesquisa histórica em New England. O terror começa quando a casa onde o professor se hospeda era de um antigo médico que assassinou a esposa e depois enforcou-se na biblioteca onde fazia suas pesquisas. 

Durante os 30 primeiros minutos, A Casa do Cemitério se desenvolve razoávelmente, com um misto de investigação e mistério. Mas tem partes do roteiro que mostram que a produção de Fulci não pode ser considerada uma obra prima. Uma delas é quando o professor Boyle escuta barulhos vindo da parte de baixo da casa, no meio da noite. Ao verificar do que se trata, descobre a babá de seu filho tentando abrir a porta do sótão, lacrada com um pedaço de madeira. Sem falar nada, ele olha para a moça e volta para o quarto. 

Ora, é o primeiro dia de trabalho da garota, você pega ela de madrugada tentando arrombar uma porta na sua casa e nem pergunta o que ela está fazendo? Outro buraco do roteiro é quando a mulher do professor, Lucy, acorda pela manhã e a babá está enxugando um rastro de sangue próximo a porta do sótão. Ela simplesmente ignora a poça vermelha e começa a conversar normalmente com a babá. E crítico nenhum venha me dizer que ela pode não ter visto o sangue. Impossível, meu caro Watson... Impossível! Outra cratera da produção de Lúcio Fulci é quando a mulher do professor descobre uma sepultura dentro de casa e não comenta nada com o marido. 

Como assim alguem descobre uma catatumba no meio da sala e não comenta com ninguém?


O diretor Lúci Fulci
Mais uma vez, afirmo que posso estar cometendo um grande equívoco ao criticar um diretor premiado como Fulci, uma lenda do cinema italiano.  Mas A Casa do Cemitério é ruim. Faz com que a gente acompanhe o filme inteiro na esperança de algo completamente surreal, que transforme o filme totalmente, mas nada acontece. Muitas vezes gira, gira, gira em torno do mistério da casa e não se chega a conclusão nenhuma. Inclusive, o final é extremamente brochante, sendo o maior dos buracos de todos dentro do roteiro, também escrito por Fulci. Não entendi bulhufas!

Um comentário:

lorddanielrock_1 disse...

Este filme é muito bom^^

Um grande abraço!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...