Zombooka 2

Depois de me deliciar com o Flaming Zombooka 1, chegou o Zombook 2.

Titulo da Imagem Titulo da Imagem

Medo.Com

A internet e seus podres profundos. Todos nós sabemos que coisas ruins existem em qualquer lugar. No esporte, no mundo empresarial, na polícia e em qualquer espaço da terra que esteja habitado por humanos.

Titulo da Imagem Titulo da Imagem

Você Sabia?

Nicole Kidman é Dra. Carol Bennel, psiquiatra em Washington, que luta para salvar a vida de seu filho ao descobrir uma invasão de um vírus alienígena.

Titulo da Imagem Titulo da Imagem

Atriz brasileira é sucesso em filme americano

A brasileira Fernanda Andrade está despontando nos cinemas americanos.

Titulo da Imagem Titulo da Imagem

2 de jan de 2010

O Anticristo

O Anticristo (Antichrist - 2009)

Direção: Lars Von Trier 
Sinopse: Um casal tem a vida modificada completamente depois de perder o filho de três anos. A mãe não aceita a perda e entra em depressão profunda. O pai, um terapeuta, faz de tudo para tentar ajudar a esposa a superar. Mas as crises ficam incontroláveis e coisas terríveis começam a acontecer.
Distribuidora no Brasil: Califórnia Filmes 
Trailer: O Anticristo 

Curiosidades: Vencedor da Palma de Ouro, no Festival de Cannes como melhor filme de 2009 e ainda venceu na categoria Melhor Atriz, para Charlote Gainsbourg.



Com uma abordagem cruel, misturando cenas de sexo e mutilação genital, o diretor Lars Von Trier conseguiu aquilo que, em minha modesta opinião, ele queria: Impressionar. O Anticristo é selvagem, violento, peculiar e, porque não, um bom filme de se assistir. Diferente do que estamos acostumados, Von Trier abusa quando coloca o ser humano em uma situação animalesca, bizarra. Desde a abertura, um prólogo emocionante, uma trilha sonora muito bem escolhida, aliada com ausência de cores, O Anticristo é um filme inexplicável. Talvez vocês já devam ter escutado que nenhuma arte é para ser explicada e sim sentida, respirada ou qualquer frase poética para justificar tal afirmação. 


Apesar de não concordar totalmente, vejo a produção de Lars Von Trier dessa forma: Um filme onde cada espectador faz seu julgamento e interprete como bem entender. Após a exibição no Festival de Cannes do ano passado, onde foi premiado com a Palma de Ouro, o cineasta dinamarquês foi direto e não quis comentar ou explicar a estória, mas há quem diga que O Anticristo é a personificação da depressão profunda que Lars sofreu há alguns anos e, de fato, o filme mostra uma aura emocional perturbada, que ninguém que não estivesse realmente sofrendo emocionalmente conseguiria impor como Lars conseguiu.

Um casal apaixonado, interpretado por Willian Defoe, terapeuta, e Charlote Gainsbourg, historiadora, tem suas vidas modificadas depois da morte do filho, Nick, de três anos. A mulher, Charlote, fica transtornada, não aceita a perda e o marido tenta ajudá-la como se fosse um de seus pacientes. 

O comportamento de Defoe cuidando da própria esposa é interessante do ponto de vista do acontecido, onde passa a impressão de que ele não foi tão afetado com a morte do filho. A convivência com a mulher deixa de ser marido e esposa, se transformando em médico e paciente. 

Com alucinações e crises constantes, o marido incentiva a mulher a enfrentar seus medos. Mas ela enlouquece e passa a ter comportamentos bizarros como vontade de transar loucamente para minimizar os efeitos das crises. O marido então sugere passar uns dias em uma cabana isolada, no meio da floresta, onde a esposa costumava a ir em sua infância, como forma de enfrentar aquilo que lhe provocava medo.

A partir daí as coisas começam a ficar tensas. Em uma de suas crises, a esposa acerta o pênis do marido com uma pedra e depois, ao ver o membro ereto, inicia uma masturbação, que termina numa ejaculação de puro sangue. Outra cena bizarra é quando ela corta parte da vagina com uma tesoura, pois associa o sexo a culpa pela morte do filho. 

Dafoe, Von Trier e Charlotte
Ao final de O Anticristo, chegamos a conclusão de que o filme não é uma película de terror e sim uma estória de drama pessoal, onde uma mãe não consegue lidar com a perda do filho. Contudo, não é uma experiência fácil de ser digerida. Ao assistir esqueça sua repulsa, moral ou ética, assista sem pudores!

Um comentário:

Lorenα Cαbrαl disse...

Uaal, parece ser um filme meio tenso /hmm.
A mulher parece ser uma maluca total.
Obrigada pela dica õ/.
voltei lá com o meu blog,

www.amendobobaa.blogspot.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...